Vasco prepara cessão de direitos à SAF na CBF e tem debate sobre diretoria





Curta nossa página e saiba de tudo sobre o Vasco!

Entre no grupo de whatsapp da CENTRAL DO VASCO, SOMENTE NOTÍCIAS, SEM CONVERSAS!CLIQUE AQUI!

A assembleia de sócios do Vasco aprovou a venda da SAF para o grupo 777 Partners no domingo. Com isso, vai se iniciar a transferência de direitos do clube — vaga na Série B e contratos de jogadores — para o fundo. Ao mesmo tempo, há um acalorado debate interno sobre a nova diretoria da empresa.

O acordo aprovado prevê que o 777 Partners assuma o futebol e os direitos sobre a exploração da marca do Vasco por meio da compra de 70% da SAF. Em troca, compromete-se a investir R$ 700 milhões, garantir orçamento entre os cinco maiores do país e pagar a dívida da associação até o valor de R$ 700 milhões.

A expectativa de envolvidos no processo é de que a 777 Partners assuma de vez o futebol do clube em um período entre duas e três semanas, isto é, até o início de setembro. O primeiro passo é a criação efetiva da empresa SAF com uma conta para receber investimentos.

Depois disso, o Vasco tem que fazer um processo de transferência dos seus direitos esportivos e contratos dos jogadores para a SAF. Isso tem que ser feito em um dia sem jogo nenhum do clube, seja no profissional ou na divisão de base.

A transferência poderá ocorrer graças a uma concessão feita pela CBF. Anteriormente, a entidade informou que clubes só poderiam repassar seus ativos durante o período de paralisação das competições. Mas já tinha permitido que o Cruzeiro e o Botafogo fizessem a mudança dos contratos para a SAF pouco antes do Brasileiro da Série B. Agora, deixará no meio do campeonato. Em comunicado, o executivo da 777, Josh Wander, pediu paciência à torcida.





Além disso, o 777 Partners começa a definir a nova diretoria. Luiz Mello, que era CEO do Vasco, passa a ser CEO da SAF. Já Paulo Bracks, ex-Internacional e América-MG, foi nomeado diretor esportivo.

Um grupo de vice-presidentes do Vasco questiona a nomeação de Mello alegando conflito de interesse. A posição deles é de que o executivo estava atuando pelo time cruzmaltino na negociação das condições do acordo com o 777 Partners. E, por isso, pode ter defendido posições mais favoráveis ao fundo.

Outra parte da diretoria vascaína, no entanto, defende a nomeação de Luiz Mello. A argumentação é de que o questionamento é mais um jogo de poder comum na associação que sempre ocorreu dentro do Vasco. Segundo essa parte dos dirigentes, a tese do conflito de interesses é absurda e a escolha faz parte das práticas de mercado.

O conflito entre uma parte dos vices e Luiz Mello é antigo e já ocorreu durante sua gestão como CEO do clube. Houve discussões sobre os vices serem excluídos das negociação do acordo da SAF, assim como de um contrato feito com a Amazon sobre documentário do time “Camisas Negras”, formação histórica do clube.

Haverá debate sobre outro cargo. O Vasco SAF será gerido por um Conselho de Administração que determina as diretrizes da gestão para ser tocada pelo CEO e pelo diretor esportivo.

O organismo terá sete vagas, sendo cinco escolhidas pelo 777 Partners e outros dois pelo clube-associação, que detém 30% da empresa. O presidente do Vasco, Jorge Salgado, será dono de uma vaga e a outra será escolhida pelo Conselho Deliberativo. Um dos candidatos é Roberto Duque Estrada.

Do 777 Patners, o diretor de operações Juan Arciniegas tem sido o mais presente nas negociações relacionadas ao Vasco, inclusive da Liga. Haverá ainda colaboração de estrangeiros na gestão do futebol do clube.

Fonte: Coluna Rodrigo Mattos – UOL







Você pode gostar...