CBF autoriza, e Vasco fará transferência imediata de ativos para a 777





Curta nossa página e saiba de tudo sobre o Vasco!

Entre no grupo de whatsapp da CENTRAL DO VASCO, SOMENTE NOTÍCIAS!CLIQUE AQUI!

Após a apresentação da 777 Partners aos membros do Conselho Deliberativo, o Vasco organizou uma entrevista coletiva nesta sexta-feira para esclarecer tópicos sobre a venda de 70% da sua SAF à empresa americana. O Primeiro e o Segundo Vice-Presidentes, Carlos Roberto Osório e Roberto Duque Estrada, falaram ao vivo sobre o tema na VascoTV.

Roberto Duque Estrada, que lidera a Comissão Especial para análise da proposta da 777, informou que a CBF liberou que o Vasco transferisse seus ativos para a empresa antes do fim da Série B. A princípio, a Confederação não permitia a transferência de contratos de jogadores e membros da comissão técnica de um CNPJ para outro no decorrer de uma competição.

– Temos duas pessoas jurídicas, a associação Vasco da Gama e a 777 Partners. Elas vão se reunir e criar uma terceira entidade, que é a Vasco SAF. O Vasco contribui para a SAF com seus ativos e passivos do futebol, e a 777 aporta dinheiro, que são os R$ 700 milhões já anunciados. O investidor tem até 36 meses para fazer esse aporte, com obrigação de aportes mínimos a cada ano – disse Roberto, que completou:

– Uma coisa importante é que a CBF autorizou a transferência dos direitos federativos de todos os jogadores que estão disputando a Série B antes do fim do campeonato. Não vai ser necessário então fazer dois aportes, o Vasco vai aportar seus ativos de uma única vez.

Roberto Duque Estrada em entrevista do Vasco sobre a SAF — Foto: Reprodução/VascoTV

Roberto Duque Estrada em entrevista do Vasco sobre a SAF — Foto: Reprodução/VascoTV

Com a proximidade da AGE, a expectativa é que, caso aprovada, a 777 Partners assuma imediatamente o comando do futebol. Carlos Roberto Osório detalhou como será o processo de transição.

– Aprovada a SAF, imediatamente vai ser constituída a Vasco SAF, que receberá todos os ativos do futebol ao patrimônio dessa empresa, junto com todo o departamento de futebol, incluindo funcionários. O que está combinado é fazer uma transição tranquila, estamos afinados, temos uma visão comum de futuro e tudo será feito para termos um ano tranquilo até conseguirmos o objetivo de voltar à Série A.

– A entidade tomará suas decisões e, em paralelo, temos um processo de transição das mais áreas, pois haverá necessidade de ter um departamento de marketing, financeiro… Não vai haver nenhum risco de descontinuidade. A SAF não vai começar com uma página em branco no dia seguinte. Ao longo do segundo semestre, fora do futebol, vai ter a migração dos profissionais e, no fim do ano, teremos uma configuração definida do que será SAF e do que será o Vasco associação. O sócio estatutário permanece como guardião da nossa instituição – explicou Osório.

Veja outros tópicos da coletiva:

Investimento da 777

Carlos Roberto Osório:

– O Vasco está asfixiado financeiramente, não tem recursos para investir, consequentemente monta equipes fracas, obtém maus resultados esportivos, não à toa estamos na Série B pela quinta vez, temos baixo engajamento da torcida, baixa receita e vamos numa espiral de uma longa e lenta decadência que enfrentamos nos últimos 20 anos. A SAF chega para romper o círculo negativo e criar um círculo virtuoso.

– A 777 vai fazer investimentos na qualificação do elenco profissional. Estamos no meio da temporada, disputando a Série B, e esses investimentos serão feitos para já ter uma equipe competitiva na Série A no ano que vem, com mais engajamento da torcida e arrecadação de receitas, que virão com os melhores resultados para tornar o futebol sustentável com o tempo. A 777 tem metas claras de investimento nos três primeiros anos. Depois, essas metas se tornam metas de performance. A nossa métrica são os cinco mais orçamentos do Brasil, e é aí que o Vasco vai estar.

Transparência sobre a SAF

 

– Essa entrevista faz parte do projeto de comunicação da SAF do Vasco. É um momento importante para os vascaínos, e essa proposta de detalhamento começou na quinta com uma reunião no Conselho Deliberativo com uma apresentação direta da 777. Queremos que todos tenham as informações para decidir com segurança em relação à SAF do clube.

– Queria colocar três pontos que começaram lá atrás, quando Jorge Salgado e a diretoria traçaram três objetivos: que a SAF pudesse garantir investimentos no futebol do clube para recuperar o protagonismo do Vasco a nível nacional e sul-americano; equacionar o gigantesco endividamento do clube; que o processo garantisse os espíritos de vascainidade. Essas eram as três pré-condições para avançar nesse processo, e a proposta que está na mesa do clube atende a esses objetivos. Temos agora no ar um e-mail para os vascaínos tirarem dúvidas, e temos um conjunto de iniciativas até a Assembleia Geral para todos terem as informações necessárias.

– Vamos fazer uma inédita audiência pública na VascoTV para qualquer vascaíno no Brasil e no mundo dar sua opinião sobre o futuro do Vasco.

Osório em coletiva do Vasco sobre a SAF — Foto: Reprodução/VascoTV

Osório em coletiva do Vasco sobre a SAF — Foto: Reprodução/VascoTV

Trabalho da comissão e contratos

– Nós temos uma sala reservada no escritório do Vasco, no centro da cidade, e cada membro tem uma pasta com uma cópia de todos os contratos. Separei a comissão em três . Tem-se um acordo de investimentos, que é o principal contrato, com o estatuto da SAF como documento anexo, e também um acordo de acionistas. Uma vez feita a SAF se tem contratos que a 777 vai celebrar co m o Vasco, como uso da marca, arrendamento do complexo de São Januário, outros dois contratos sobre o uso dos centros de treinamentos em Duque de Caxias e na Cidade de Deus. Tinha um contrato de gestão conjunto do futebol, mas se tornou desnecessário já que a CBF liberou a transferência dos ativos. E tem mais um contrato sobre o processo de transição – detalhou Duque Estrada.

– Imagino que não vamos necessitar os 10 dias prorrogáveis, mas não vamos terminar dentro dos 15 dias, que terminam na segunda-feira. A minuta do parecer já está pronta, e eu separei a comissão em três grupos de relatores. Um que está com o acordo de investimentos, outro com o acordo de acionistas e estatuto, e o terceiro com os contratos da marca, CTs e São Januário. Estamos em fase de consolidação desses trabalhos. Não gosto de dar data, mas nosso esforço é para que na próxima semana temos esse relatório entregue ao presidente do Conselho Deliberativo. Vamos chamar atenção dos pontos positivos e dar recomendação sobre outras situações. Acho que a principal recomendação é a reforma do estatuto após a conclusão da SAF – completou o dirigente.





Receitas da associação e sócios estatutários

– Teremos um valor fixo de aluguel anual por São Januário, que retira da associação o ônus da manutenção do complexo como todo. Também teremos os royalties, que terão valor fixo e um percentual das vendas dos produtos licenciados pela marca Vasco. Também teremos as receitas dos nossos sócios estatutários. O sócio estatuário está aqui para zelar pelo Vasco. Para poder votar, eleger o presidente e eleger seus representantes no conselho da SAF, vai ser o sócio estatutário. É muito importante que o sócio do Vasco da Gama saiba da sua importância e de sua responsabilidade. Se é vascaíno, tem que se manter sócio estatutário. Temos outros esportes com muita tradição, como basquete, futsal, remo, além das escolinhas. Além disso ainda temos as sedes do Calabouço e da Lagoa. E os dividendos, uma vez que o Vasco será um acionista importante da SAF – explicou Duque Estrada.

Investimento imediato

 

– A primeira fase é o compromisso de investimento até 2026 para atingirmos os objetivos. Queremos ser grandes, fortes e de maneira sustentável no curto prazo. A partir de 2027 começamos um futuro para sempre, com metas claras em campeonatos a nível nacional e internacional para o investimento render recursos aos seus acionistas. Nós precisamos estar no patamar de investimento dos principais concorrentes, e queremos que um percentual das receitas seja investido no elenco profissional. Se a 777 for extremamente eficiente da gestão da 777 e garantirmos títulos com um investimento menor que nossos concorrentes, problema nenhum. O que queremos são títulos – disse Osório.

Metas orçamentárias e folha salarial

– As metas orçamentárias são metas dos aportes e temos metas em relação ao investimento no futebol, de como esses recursos serão destinados – disse Duque.

São Januário

– É um tema central, o Vasco não abriria mão do complexo. Tudo que dizer respeito ao estádio será locado pela 777, e tem uma área que permanecerá com a associação, como o parque aquático, sala de beneméritos, colégio, área administrativa, o ginásio de esportes e salas esportivas anexas ao ginásio. Vasco e 777 também se entendem na utilização desse complexo. O custo total de manutenção do complexo passa para a SAF, da segurança à limpeza, se queimar uma lâmpada é problema da SAF, o que vai aliviar a associação. Vai ser um compartilhamento, tanto SAF quanto associação poderão usar as áreas.

– Existe um desejo de reformar e expandir o complexo, que pode se dar de algumas maneiras: o clube consegue os recursos e aporta na obra, aí temos previsto em contrato mudanças já que o estádio passaria a valer mais e gerar mais recursos; se a SAF decidir aportar os recursos, clube e SAF vão discutir como isso se dará – a SAF já disse ter interesse em ter a propriedade do estádio caso venham a investir, mas isso não está na mesa agora, isso teria que voltar a ser discutido à frente nos poderes do Vasco – ressaltou Carlos Roberto Osório.

Mais detalhes sobre os contratos

– Transparência é o que mais temos feito, essa comissão é representada por vários membros, todos os presidentes de poderes tiveram acesso aos contratos, mas estamos lidando com um parceiro que tem interesses estratégicos. O que não saiu são questões que não interessam ao torcedor, mas que interessam à nossa parceira. Não podemos revelar questões que ela colocou confidencialidade. O nosso relatório será bastante transparente em relação à cláusulas, investimentos, garantias, tudo será apresentado. Nós vamos tirar dúvidas e, no fim do processo, vai ser ver que essas dúvidas da confidencialidade são uma grande bobagem, o que é relevante para a preocupação do clube estará totalmente revelado – disse Duque Estrada.

Estratégia da 777

– O Vasco está fazendo parte de um grupo de futebol formado pela 777, o 777 Football Group, que já tem clubes na Europa. Eles montaram uma estrutura coorporativa para esse grupo a nível internacional. O Vasco da Gama é Flagship, é o carro-chefe da 777 na América do Sul, dos clubes do conjunto da 777 de longe é o mais tradicional, o que mais tem torcida e o que tem mais potencial de crescimento. Nenhum clube no futebol nacional e internacional tem o potencial de crescimento do Vasco. Comparar onde o Vasco da Gama está hoje e onde pode chegar é um salto gigantesco. Estamos no segundo ano na Série B, jogamos no Maracanã com 130 mil torcedores em dois jogos, os jogos em São Januário absolutamente lotados. O potencial é muito grande. Parafraseando o nosso Raniel, nós achamos que a sociedade não está preparada para a volta do novo Vasco. A parceria da 777 não significa apenas aportes financeiros, significa o ingresso do Vasco como protagonista no cenário do futebol internacional – disse Osório .

Fonte: GE







Você pode gostar...