Maurício Souza destaca “DNA competidor” do Vasco e cita dificuldades para “jogo elaborado”





Curta nossa página e saiba de tudo sobre o Vasco!

Em sua estreia no comando do Vasco, Maurício Souza guiou o time em mais uma vitória na Série B, desta vez sobre o Londrina, fora de casa. O resultado que levou a equipe de vez à vice-liderança do campeonato foi muito comemorado pelo treinador, que enalteceu a entrega dos jogadores e comentou as dificuldades de se fazer um jogo mais “bonito” no Estádio do Café.

– Sem dúvidas não foi a vitória mais bonita do Vasco, porém o Vasco criou nesses últimos jogos um DNA competidor forte. Jogamos contra um adversário que não tinha perdido em casa, ganhou 10 dos últimos 15 pontos que disputou e que dificulta demais o jogo dentro da sua casa. O campo não estava nas melhores condições para um jogo mais elaborado. Não entendo hoje que a gente tinha que sair daqui fazendo um jogo elaborado, mas reforçar esse espírito de luta e garra, que foi a tônica do nosso jogo. Muito feliz em sair daqui com os três pontos contra um adversário que vendeu duro – afirmou Maurício, que completou:

– Se a gente conseguir com o tempo elaborar o jogo mais um pouco vai ser ótimo, mas nosso primeiro objetivo não é chegar aqui e dar espetáculo, mas fazer o Vasco voltar para a Série A.

Maurício Souza em Londrina x Vasco  — Foto: Daniel Ramalho/CRVG

Maurício Souza em Londrina x Vasco — Foto: Daniel Ramalho/CRVG

O gol do Vasco foi marcado por Raniel, que substituiu Getúlio no intervalo, e marcou logo nos primeiros minutos do segundo tempo. Maurício Souza falou sobre a concorrência entre os dois pela vaga no comando do ataque vascaíno.

– O Vasco tem um time muito homogêneo, o Raniel hoje fez o gol, e o Getúlio fez contra o Cruzeiro. O que eu tenho passado para eles é que vamos viver um ambiente de justiça, e nesse ambiente as coisas são resolvidas dentro do campo. Quem estiver melhor vai jogar, isso não significa que vai ser titular o tempo todo. São atletas que sabem disso, o Getúlio compreendeu completamente a saída, o Raniel fez o gol e depois abraçou o Getúlio – disse Maurício.

– É um grupo extremamente unido, só quem está vivendo aqui sabe da união desse grupo, o quanto eles querem. O campo, o dia a dia, vai dizer quem é titular ou reserva. O que posso falar é que temos dois atletas extremamente trabalhadores, com qualidade para assumir a titularidade. É claro que prefiro ter esse problema (risos), porque a gente tira um, coloca outro, e o nível continua – acrescentou.

Vice-líder da Série B com 27 pontos, o Vasco volta a campo na próxima sexta-feira, às 19h, em São Januário, contra o Operário-PR, pela 14ª rodada da competição.

Outras declarações de Maurício Souza

 

Gol bem trabalhado e evolução do time

– Um trabalho bom que já vinha sendo feito e que temos o objetivo de dar sequência e, aos poucos, ir introduzindo nossa ideia. Vamos tentar jogar da maneira que gostamos sem perder a competitividade dessa equipe. Foi um gol em que saímos tocando a bola desde a nossa defesa, encontramos o cruzamento, e o gol dá vantagem e traz o receio de não ceder o empate num jogo difícil. Às vezes você assume um papel de se defender muito mais do que atacar, e é um equipe que se defende muito bem.




– Valorizo muito o gol, mas não deixo de valorizar o jogo, que muitos não acham tão bonito, mas que depois vemos um grupo no vestiário desprovido de vaidade e vibrando. Se a gente conseguir com o tempo elaborar o jogo mais um pouco vai ser ótimo, mas nosso primeiro objetivo não é chegar aqui e dar espetáculo, mas fazer o Vasco voltar para a Série A.

Saída de bola

– No primeiro momento a gente oscilou entre bons e maus momentos, tanto na saída de bola quanto no setor seguinte, no último terço. Passar a construir com a bola limpa desde o nosso goleiro é algo que eu defendo, para não ficar dependendo de uma bola alçada e disputado. A gente não quer o jogo dominantemente disputado, queremos ter o controle, temos treinado isso. Eu gosto da saída elaborada, mas foram poucos treinos, precisamos trazer mais ideias e confiança para isso.

– É um grupo que compra a ideia e que tentou fazer mesmo com poucos treinos e foi premiado com o gol. Não posso chegar aqui e mexer numa coisa que estava dando certo, mas temos que andar para a frente e o Vasco vai evoluir. A gente vai buscar jogar pra frente, quem sabe com um jogo mais vistoso, mas com certeza com essa garra, porque no final queremos estar num vestiário de vencedor.

Atuação do Andrey

– O Andrey é um jogador sem dúvida nenhuma muito diferente. É um garoto que tem esse tipo de coragem, a gente dá essa liberdade a ele, de perceber qual o melhor momento para executar a saída de bola, se é para conduzir no meio de dois ou achar um passe de lado. Jogador de personalidade incrível, de qualidade técnica absurda e um cognitivo muito apurado. O que para a gente parece ser difícil ele faz com naturalidade. Vai cometer erros, a gente vai ter que continuar dando força para que continue fazendo, pois ele é um ponto importante se quisermos elaborar uma saída de bola do Vasco. É importante ele ter essa confiança.

Substituições

– Esse é o tipo de jogo que a gente acaba fazendo poucas mudanças de ordem tática. O Yuri sentiu cãibra, ficou um espaço grande ali, por mais que ele seja o guerreiro que ele é. O Zé é o que mais se enquadra na proteção, tem o perfil mais parecido, finca bem no meio da defesa, e a gente estava em um momento de receber muitas bolas longas. As outras mexidas não fugiram muito disso. A de ordem tática foi a entrada do Raniel. O Pec acabou tomando o segundo amarelo e estava ajudando muito na defesa, então qualquer falta poderia ser expulso, não poderíamos de maneira nenhuma perder um jogador. E o Figueiredo também caiu com cãibras. Então as mudanças aconteceram muito mais por ordens emergenciais do que taticamente pensadas.

Recado final

– É um grupo homogêneo, jogadores que entraram não se assustaram, corresponderam e entenderam que era momento de abdicar um pouco da parte ofensiva e se defender, lutar o tempo todo. Gostaria de fechar dizendo que a gente sai daqui sabendo o que tem que evoluir, mas contente porque com esse espírito ninguém vai tirar o Vasco da Primeira Divisão.

Fonte: Ge






Você pode gostar...