Semana terá 'chuva congelante' e temperatura atípica - ValeSeuClick.com - Notícias do mundo inteiro, em tempo real

Semana terá ‘chuva congelante’ e temperatura atípica


Previsão do tempo: mínimas previstas para o período entre 12 e 21. Frio vai se intensificar na próxima semana. — Foto: Reprodução/TV Globo

Previsão do tempo: mínimas previstas para o período entre 12 e 21. Frio vai se intensificar na próxima semana. — Foto: Reprodução/TV Globo

Os serviços de meteorologia afirmam que grande parte do Brasil vai enfrentar uma semana de frio atípico para o mês de maio a partir da próxima segunda-feira (16). De acordo com Cesar Soares, meteorologista da Climatempo, os termômetros devem ficar abaixo de 10°C em São Paulo, há previsão de neve e “chuva congelante” para estados do Sul e geadas para outros trechos do país.

“Para quem está sentindo frio agora, digo que o frio ainda nem começou”, afirma César Soares. “Esse pode ser o episódio de frio mais intenso deste ano.”

Nas redes sociais, o frio que se aproxima vem sendo divulgado como uma “erupção polar histórica“. O meteorologista da Climatempo afirma que o termo não existe na literatura da meteorologia, e o que de fato vai ocorrer tecnicamente é o avanço de uma “massa polar”, que o especialista classifica como “muito intensa”.

Temperaturas mínimas

Capital Segunda (16) Terça (17) Quarta (18) Quinta (19) Sexta (20)
Aracaju 24°C 23°C 23°C 23°C 24°C
Belém 24°C 24°C 23°C 23°C 23°C
Belo Horizonte 16°C 19°C 15°C 8°C 12°C
Boa Vista 23°C 25°C 24°C 24°C 24°C
Brasília 16°C 16°C 15°C 9°C 11°C
Campo Grande 14°C 11°C 7°C 6°C 7°C
Cuiabá 19°C 17°C 13°C 8°C 10°C
Curitiba 12°C 7°C 5°C 6°C 7°C
Florianópolis 13°C 6°C 7°C 11°C 8°C
Fortaleza 24°C 28°C 28°C 28°C 27°C
Goiânia 18°C 15°C 11°C 4°C 7°C
João Pessoa 24°C 23°C 23°C 24°C 24°C
Macapá 25°C 24°C 24°C 24°C 24°C
Maceió 23°C 23°C 21°C 22°C 23°C
Manaus 23°C 25°C 25°C 24°C 24°C
Natal 24°C 26°C 26°C 26°C 26°C
Palmas 23°C 23°C 22°C 20°C 19°C
Porto Alegre 10°C 8°C 10°C 12°C 8°C
Porto Velho 23°C 22°C 21°C 19°C 19°C
Recife 24°C 26°C 26°C 26°C 26°C
Rio Branco 23°C 20°C 18°C 15°C 17°C
Rio de Janeiro 19°C 22°C 20°C 18°C 19°C
Salvador 22°C 22°C 22°C 22°C 24°C
São Luís 24°C 24°C 23°C 24°C 24°C
São Paulo 15°C 15°C 7°C 8°C 11°C
Teresina 23°C 23°C 22°C 23°C 24°C
Vitória 19°C 23°C 23°C 19°C 20°C

Serão diretamente impactados todos os estados do Centro-Sul do Brasil. O ápice será entre os dias 16 e 22. Segundo o especialista da Climatempo, o grande diferencial é que desta vez o deslocamento da massa de ar polar vai coincidir com a passagem de um ciclone extratropical, o que vai trazer umidade e possibilitar a ocorrência de eventos mais incomuns: queda de neve e precipitação da chamada “chuva congelante”.

Neve e chuva congelante

 

A neve é um fenômeno já mais conhecido: os flocos são formados já na nuvem e chegam ao solo no mesmo estado, enquanto a chuva congelante é um evento mais raro em nosso país. Segundo o meteorologista César Soares, a chuva ocorre de forma normal, com a queda da gotícula na atmosfera, mas a água se congela ao tocar uma superfície.

“(Quando ocorre uma chuva congelante”, você vê as gotas caindo, mas olha as pessoas na rua e as pessoas não se ‘molham’, porque a gota congela quando toca a superfície”, explica o meteorologista.

Há previsão de neve para municípios da Serra Gaúcha e algumas cidades da região central de Santa Catarina na terça-feira (17) e quarta-feira (18).

Frio abaixo de 10ºC em SP

 

Um dos marcos deste frio atípico é a previsão de temperatura abaixo de 10°C em São Paulo. A previsão mais recente considera a possibilidade de mínimas em torno de 7 a 9°C.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a estação do Mirante de Santana, a oficial da capital São Paulo, registrou 9,5°C em 2016.

No sul, há condições para temperaturas abaixo de zero. Em Urupema, de acordo com Soares, é possível que os termômetros cheguem a -8°C.

Geada em vários estados

 

Há previsão de geada em várias áreas entre os dias 19 e 22 de maio (quinta a domingo). A geada ocorre quando é formada uma camada de gelo nas superfícies por causa da intensa redução de temperatura quando a umidade do ar está elevada.

A possibilidade é mais forte nos estados do Sul, no sul e oeste paulista, em Mato Grosso do Sul e no sul de Minas Gerais. O meteorologista César Soares não descarta até mesmo a ocorrência de geada na capital paulista.

“Dessa vez, no Sul, não só as áreas mais altas devem registrar geada, mas até em Curitiba a chance é bastante alta”, aponta a Climatempo.

De acordo com o Inmet, as geadas poderão ser fortes em alguns pontos. Veja figura abaixo:

Ocorrência de geada prevista para Sul e trechos do Sudeste e Centro-Oeste. — Foto: Inmet

Ocorrência de geada prevista para Sul e trechos do Sudeste e Centro-Oeste. — Foto: Inmet

Impacto no Norte do Brasil

 

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, a queda das temperaturas mínimas vai afetar também estados do Norte do Brasil. “No Acre e em Rondônia, o frio deve causar o segundo episódio de friagem do mês”, explica o Inmet, citando que o primeiro episódio ocorreu entre os dias 4 e 5.

La Niña mais intensa

 

O ano de 2022 vem sendo marcado pelo fenômeno La Niña, cuja principal característica é o esfriamento das águas do Oceano Pacífico que provoca invernos rigorosos e secas severas. No Brasil, em anos de La Niña, é comum mais chuvas na região Sul e menos nas regiões Norte e Nordeste.

Entenda o que é La Niña

Entenda o que é La Niña

De acordo com análise do serviço de meterologia MetSul, o atual comportamento do La Niña “foge” ao que costuma ser observado. “O episódio que se iniciou em agosto do ano passado normalmente atinge seu pico de intensidade entre o fim do ano e o começo do ano seguinte. Na sequência, começa a perder intensidade e, via de regra, há uma transição para neutralidade no outono do ano seguinte”, explica, em nota, a meteorologista Estael Sias.

“Não é o que ocorre em 2022. A La Niña voltou a ganhar força agora no outono e fazia muito tempo que o Pacífico não se encontrava tão frio na região equatorial nesta época do ano” afirma Estael com base em dados da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (NOAA), a agência climática dos EUA.

Fonte: G1.com


Você pode gostar...