Moraes autoriza PF a compartilhar provas de ações contra Bolsonaro - ValeSeuClick.com - Notícias do mundo inteiro, em tempo real

Moraes autoriza PF a compartilhar provas de ações contra Bolsonaro


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou nesta terça-feira (8) o compartilhamento de provas do inquérito sobre o vazamento de dados sigilosospelo presidente Jair Bolsonarocom a investigação sobre a atuação de uma milícia digital contra a democracia e as instituições.

Moraes atendeu a um pedido da Polícia Federal. Segundo o ministro, a demanda da delegada Denisse Ribeiro é pertinente porque pode haver semelhanças entre o modelo de atuação dos grupos investigados em cada inquérito.

“Verifico a pertinência do requerimento da autoridade policial, notadamente em razão da identidade de agentes investigados nestes autos e da semelhança do modus operandi das condutas aqui analisadas com as apuradas nos Inquéritos 4.874/DF e 4.888/DF, ambos de minha relatoria”, escreveu.

No primeiro inquérito, a PF já concluiu que Bolsonaro cometeu crime ao vazar dados sigilosos de um inquérito da corporação sobre um ataque ao sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O tribunal já esclareceu que esse ataque não gerou riscos à segurança do processo eleitoral. Veja abaixo:

PF conclui que Bolsonaro cometeu crime ao vazar dados sigilosos, mas não indicia o presidente

PF conclui que Bolsonaro cometeu crime ao vazar dados sigilosos, mas não indicia o presidente

Além de publicar a íntegra do relatório preliminar (ainda não concluído) em rede social, o presidente Jair Bolsonaro também distorceu dados da investigação durante uma transmissão ao vivo.

Os dados dessa investigação serão compartilhados com a equipe que apura a atuação de uma milícia digital que trabalha para desestabilizar e deslegitimar a democracia e as instituições brasileiras. Entre os alvos, estão filhos e aliados de Jair Bolsonaro.

Conduta similar

 

Na investigação sobre o inquérito vazado, a PF identificou indícios de que o entorno do presidente pode utilizar o mesmo modus operandi (modo de agir) da mílicia digital para divulgar informações falsas.

Os dados também serão compartilhados com o inquérito que apura a divulgação de uma notícia falsa pelo presidente apontando que relatórios oficiais do Reino Unido teriam sugerido que pessoas totalmente vacinadas contra a Covid estariam desenvolvendo Aids “muito mais rápido que o previsto”. A afirmação é falsa, e não há qualquer relatório oficial que faça essa associação.

Ao analisar dados do ajudante de ordem da Presidência, Mauro Cid, a PF encontrou material que pode ter sido usado por Bolsonaro na divulgação dessa fake news.

Fonte: G1.com

Você pode gostar...