África do Sul registra aumento de casos de subvariante da Ômicron



Profissional de saúde aplica vacina contra Covid-19 em paciente em Johanesburgo, na África do Sul

A África do Sul está vendo mais casos da subvariante BA.2 da Ômicron do coronavírus e está monitorando a situação, mas ainda não há nenhum sinal claro de que a BA.2 seja substancialmente diferente da Ômicron original, disse uma cientista nesta sexta-feira (4).

Michelle Groome, do National Institute for Communicable Diseases, mostrou em uma apresentação que a BA.2 representou 23% das 450 amostras de janeiro sequenciadas pela rede de vigilância genômica da África do Sul e a cepa original 75%.

Das 2.243 amostras de dezembro que foram sequenciadas, a BA.2 representou 4% e a cepa original 94%.

“Estamos vendo este aumento com a BA.2, ainda estamos tentando obter mais informações sobre esta sublinha em particular… e por isso estamos aumentando o sequenciamento das províncias onde estamos vendo aumentos (em casos) monitorando a proporção que é devida à BA.2”, disse Groome em uma entrevista coletiva.

“Nesta fase, não há indicação de que haveria… diferenças entre estas diferentes sublinhas da Ômicron. Como vimos com a Delta, havia muitas linhagens e não vimos muitas diferenças entre elas, mas vamos continuar monitorando”, acrescentou ela.

Perguntada se havia sinais de que a BA.2 estava causando sintomas diferentes, ela disse que não estava esperando mudanças marcantes. Os cientistas analisarão os dados sobre as hospitalizações para obter pistas sobre a gravidade da doença ligada à subvariante, disse ela.

A África do Sul entrou em uma quarta onda de infecções pela Covid-19 impulsionada pela Ômicron no final do ano passado, logo após alertar o mundo sobre o surgimento da variante altamente transmissível.

As infecções diárias começaram a diminuir a partir de meados de dezembro, após atingir um recorde de mais de 26.000, e se estabilizaram nas últimas semanas em cerca de 3.000 novos casos por dia.

O ministro da Saúde sul-africano, Joe Phaahla, disse que o país não estava fora da quarta onda e que poderia haver uma quinta onda mais próxima do inverno. Ele disse que as últimas duas semanas foram um pouco de “impasse” em termos de novos casos.

“Não há um declínio sério e ainda não há um aumento preocupante das infecções”, disse ele, acrescentando que a abertura de escolas e o aumento da circulação após as férias poderiam ser razões para não ter havido uma queda maior em novas infecções.

Fonte: CNN BRASIL

Você pode gostar...