Entenda por que, apesar da liberação judicial de recursos, o Vasco ainda não pagou salário de funcionários - ValeSeuClick.com - Notícias do mundo inteiro, em tempo real

Entenda por que, apesar da liberação judicial de recursos, o Vasco ainda não pagou salário de funcionários

Curta nossa página e saiba de tudo sobre o Vasco!

Reunião do presidente Jorge Salgado com funcionários, decisão judicial que liberou recursos bloqueados, ameaça de greve e nada de o Vasco regularizar o salário atrasado – ou pelo menos parte dele. Na terça-feira, dia 21, o clube conseguiu a primeira vitória nos tribunais e, desde então, iniciou um caminho longo de mais para funcionários que convivem há anos com atrasos no pagamento e esperam a regularização da situação.

Na segunda-feira, dia 27, quase uma semana depois do começo do trâmite, o clube obteve a última autorização favorável para usar parte da verba penhorada na execução dos R$ 93,5 milhões em dívidas trabalhistas, algo posteriormente cancelado pela Justiça. Mesmo sem oficializar prazo, o Vasco espera quitar o mês de julho nos próximos dias.

Gestão de Jorge Salgado trabalha para pagar salários — Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

Gestão de Jorge Salgado trabalha para pagar salários — Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

O Vasco completou dois meses de salário atrasado a funcionários (CLT) e jogadores (CLT, mas alguns também recebem direitos de imagem). Trata-se da remuneração referente a julho e a agosto.

Mas qual o motivo da demora? A desembargadora Edith Maria Correa Tourinho, presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, ao atender a um pedido do Vasco, liberou o uso do dinheiro bloqueado na execução de R$ 93,5 milhões para pagar salários. Isso foi no dia 21. E foi tema da reunião de Salgado com os funcionários, que ocorreu no mesmo dia.

Porém, o juiz Fernando Reis de Abreu, gestor da Coordenadoria de Apoio à Execução (CAEX), o responsável pelos pedidos de penhora das receitas vascaínas, questionou a presidente do TRT-1 se todo o dinheiro bloqueado deveria ser devolvido, para onde ele deveria ser encaminhado e se deveria descontar 20% (percentual que o Vasco se comprometeu a destinar ao futuro plano de pagamento das dívidas trabalhistas).

No dia 23, a desembargadora Edith Maria Correa Tourinho respondeu: disse que todo o dinheiro deveria ser remetido para a 60ª Vara do Trabalho do Rio, onde corre o acordo do Vasco com o Ministério Público do Trabalho para pagamento de salários de funcionários. O valor é mantido em sigilo, mas trata-se de pelo menos R$ 2 milhões.

Ela determinou ainda que, a partir de outubro, o clube tem de depositar 20% da sua receita para o futuro plano de pagamento das dívidas trabalhistas.

Vencida esta etapa, o caso chegou à 60ª Vara do Trabalho do Rio. O juiz Robert de Assunção Aguiar, na segunda-feira, dia 27, concordou com os termos propostos pelo Vasco e autorizou o clube a fazer o pagamento do mês de julho, dentro do acordo. Isso deve ocorrer nos próximos dias.

O atraso salarial é tema que gera transtornos a funcionários do Vasco há bastante tempo. No dia 16, eles ensaiaram uma paralisação. Por ora, nenhum greve foi organizada.

Fonte: GE

Receba nossas notícias do Vasco pelo canal no telegram, acesse o link https://t.me/VascodaGamaoficial


Instale o Aplicativo do Vasco e fique por dentro de todas as notícias do Gigante da Colina

Você pode gostar...

Close