Variante Delta está devastando o mundo e levando sudeste asiático ao colapso - ValeSeuClick.com - Notícias do mundo inteiro, em tempo real

Variante Delta está devastando o mundo e levando sudeste asiático ao colapso



Novo coronavírus visto no microscópio

Países da Ásia estão lutando com seus piores surtos de coronavírus de todo a pandemia, estimulados por baixas taxas de vacinação e pela disseminação da variante Delta altamente contagiosa.

Enquanto nações como China, Japão e Coreia do Sul estão vendo surtos crescentes, a ponta da onda Delta está sendo sentida de forma aguda no sudeste da Ásia, com países vendo um rápido aumento no número de casos e mortes.

Os países do Sudeste Asiático que conseguiram conter os surtos no ano passado agora estão lutando com serviços de saúde sobrecarregados, falta de leitos hospitalares, equipamentos e oxigênio. Eles também impuseram lockdowns, fechando fábricas em centros de manufatura cruciais e restringindo o movimento de cidadãos que já estavam sofrendo financeiramente.

As frustrações entre os cidadãos forçados a suportar ainda mais restrições em suas liberdades e capacidade de trabalho estão chegando ao ponto de ebulição – e protestos contra a forma como seus governos lidaram com os surtos estouraram na Malásia e na Tailândia.

Enquanto isso, Mianmar está à beira do colapso com o golpe militar de fevereiro e a repressão sangrenta que se seguiu abalou o sistema de saúde e as vacinações foram completamente paralisadas.

Enquanto os países mais ricos, como o Reino Unido e Cingapura, estão vendo novos surtos, eles vacinaram totalmente mais da metade de suas populações. Comparativamente, o Vietnã vacinou totalmente menos de 1% de sua população, a Tailândia em torno de 5%, as Filipinas 7,2% e o epicentro do vírus na Indonésia 7,6%, de acordo com o Our World in Data.

Com mais de um ano e meio de pandemia, a variante Delta, mais contagiosa, está expondo as fraquezas das nações com baixas taxas de vacinação, mesmo que já tivessem controle do vírus.

Vietnã

Talvez em nenhum lugar do Sudeste Asiático essa mudança seja mais evidente do que no Vietnã.

No ano passado, o país foi apontado como um dos principais exemplos de contenção do vírus, graças a uma estratégia agressiva de rastreamento precoce de passageiros em aeroportos e a um rígido programa de quarentena e monitoramento. No último ano e meio, os residentes conseguiram levar uma vida relativamente normal e a economia cresceu 2,9% em 2020, de acordo com o Banco Mundial.

Mas desde o final de abril, o Vietnã relatou um aumento acentuado nas infecções por Covid-19. Na quarta-feira (4), o Vietnã registrou 7.623 novos casos, ante 8.620 no domingo (1), com a maioria das novas infecções na cidade de Ho Chi Minh, disse o Ministério da Saúde. No total, o Vietnã confirmou 177.813 casos, mais de 85% deles foram relatados apenas no mês passado, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. Das 2.327 mortes no Vietnã, cerca da metade foi registrada no mês passado.

O governo impôs bloqueios rígidos na capital, Hanói, e na cidade de Ho Chi Minh para tentar conter a disseminação, e centros de tratamento de Covid foram montados para acomodar mais pacientes.

Mas o surto pressionou o governo para aumentar o fornecimento de vacinas e aumentar as vacinas. Até agora, apenas 0,6% da população de 96 milhões do Vietnã foi totalmente vacinada, de acordo com o JHU.

Indonésia

A quarta nação mais populosa do mundo, a Indonésia, recentemente ultrapassou a Índia como epicentro de Covid da Ásia, e o surto foi devastador, com uma alta de mais de 50.000 casos por dia.

Dos 354 milhões de casos notificados desde o início da pandemia, 1,2 milhão foram registrados no mês passado, de acordo com o JHU. Na quarta-feira, a Indonésia ultrapassou 100.000 mortes por coronavírus, tornando-se o segundo país da Ásia a fazê-lo. Na quarta-feira, 1.747 mortes foram notificadas pelo Ministério da Saúde e 35.867 casos.

Se a propagação continuar inabalável, os especialistas dizem que isso pode levar o sistema de saúde da Indonésia à beira do desastre. Alguns temem que a situação seja pior do que os números mostram, porque não há pessoas suficientes fazendo o teste do vírus. Uma pesquisa local descobriu que quase metade dos 10,6 milhões de residentes da capital, Jacarta, pode ter contraído a Covid-19.

O país está sofrendo uma crise de saúde, com hospitais estendidos até seus limites, cemitérios cheios expandidos para conter os mortos de Covid e trabalhadores de saúde exaustos.

Especialistas dizem que a Indonésia agora está colhendo os custos de não implementar lockdowns nem investir o suficiente em sistemas de rastreamento de contato eficientes.

Na segunda-feira, o governo anunciou uma extensão das maiores restrições do Nível 4 em várias cidades e áreas, incluindo a capital e as ilhas de Java e Bali por mais uma semana. Enquanto isso, o ministro da saúde do país disse que a onda devastadora atingiu seu pico em algumas áreas, e as autoridades pretendiam começar a reabrir gradualmente sua economia em setembro, de acordo com a Reuters.

Malásia

Apesar de um bloqueio nacional, a Malásia também viu um aumento exponencial em casos e mortes, com o surto forçando uma suspensão de um mês do Parlamento.

A raiva entre as pessoas está aumentando. Centenas de pessoas quebraram as restrições do coronavírus para protestar na capital, Kuala Lumpur, no fim de semana contra a forma como o governo lidou com o surto e pediram à renúncia do primeiro-ministro Muhyiddin Yassin. Após a suspensão de uma sessão especial da legislatura na segunda-feira devido a Covid, os legisladores da oposição marcharam em direção ao prédio do Parlamento também exigindo a renúncia de Muhyiddin.

A frustração com as crescentes mortes, taxas de vacinas e problemas econômicos é exacerbada pela atual crise política da Malásia, na qual o governo de Muhyiddin parece à beira do colapso após assumir o controle da coalizão governante após as eleições do ano passado.

Manifestantes seguram corpos falsos durante uma manifestação perto da Praça da Independência em Kuala Lumpur, exigindo a renúncia do primeiro-ministro por ter lidado com a pandemia do coronavírus.

Manifestantes seguram corpos falsos durante uma manifestação perto da Praça da Independência em Kuala Lumpur, exigindo a renúncia do primeiro-ministro por ter lidado com a pandemia do coronavírus.

Na semana passada, milhares de médicos malaios sobrecarregados entraram em greve por causa das condições dos hospitais, dizendo que foram empurrados para o limite, porque as camas e os ventiladores estão acabando.

O protesto ocorreu quando o total de casos de Covid na Malásia ultrapassou 1 milhão, com o país relatando seu maior número de infecções diárias. Na quarta-feira, a Malásia relatou um novo número recorde de casos, com 19.819 novas infecções, de acordo com o Ministério da Saúde, ante cerca de 7.000 há um mês. As mortes de Covid também estão em níveis recordes, com 257 relatados na quarta-feira.

O surto se espalhou a partir de aglomerados da Covid nas indústrias de manufatura e transporte do país. E embora o surto tenha forçado o país a voltar ao bloqueio nacional em 12 de maio, grande parte do setor manufatureiro foi considerado essencial e os funcionários continuaram trabalhando apesar do perigo crescente, informou a Reuters.

As taxas de vacina da Malásia melhoraram no mês passado, especialmente em comparação com seus vizinhos regionais. Cerca de 22,5% das pessoas na Malásia estão totalmente vacinadas contra Covid-19, de acordo com Our World in Data.

Tailândia

Embora tenha sido o primeiro país a relatar um caso de Covid-19 fora da China em janeiro do ano passado, a Tailândia manteve seus números de infecção baixos em 2020 graças às medidas de contenção bem-sucedidas.

Este ano, porém, enfrenta um desafio muito maior. Depois de conter uma segunda onda que começou em dezembro passado, a Tailândia está lutando para conter uma terceira onda de infecções que elevou o número de casos diários e o número de mortes a níveis sem precedentes. Na quarta-feira, a Tailândia relatou um recorde de casos confirmados diariamente, com 20.920 infecções – o segundo dia de notificação de mais de 20.000 casos, de acordo com o Center for Covid-19 Situation Administration (CCSA). A Tailândia também registrou 160 mortes, elevando o número total de mortos para 5.663.

Os hospitais na capital, Bangkok, ficaram sobrecarregados com o aumento de casos e a demanda por leitos ultrapassou em muito a capacidade. As autoridades estão correndo para diminuir a carga sobre o sistema de saúde. Bangkok está despachando mais de 400 médicos e enfermeiras de áreas provinciais para as favelas e áreas densamente povoadas da cidade para testar e isolar 250.000 residentes, disse o Dr. Supat Hasuwannakit, presidente da Rural Doctor Society.

“Podemos não ser capazes de reduzir a taxa de infecção ainda, mas esperamos aliviar a situação dos leitos em Bangcoc e diminuir a taxa de mortalidade”, disse Supat.

Na terça-feira, a Tailândia estendeu seu bloqueio nacional até o final do mês para desacelerar o aumento dos casos. Agora, 29 províncias foram colocadas sob o protocolo mais estrito, o que significa que 40% da população do país ficará confinada, de acordo com cálculos da CNN sobre dados do CCSA.

Um depósito de carga no Aeroporto Don Muang de Bangkok foi transformado em um hospital de campanha de 1.800 leitos para pacientes da Covid-19 com sintomas menos graves, e 15 trens de passageiros estão sendo convertidos em uma instalação de isolamento da comunidade ou de pacientes Covid-19 esperando por leitos hospitalares.

A dor econômica prolongada e o medo do aumento das fatalidades por Covid estão afetando os cidadãos tailandeses. Houve um clamor público depois que vários corpos foram encontrados nas ruas de Bangkok e deixados caídos na estrada por horas antes que uma ambulância os resgatasse.

E milhares de pessoas se juntaram aos protestos antigovernamentais em todo o país no domingo, pedindo a renúncia do primeiro-ministro Prayut Chan-o-cha, cujo governo foi fortemente criticado por lidar com a pandemia.

A Tailândia pretende vacinar 50 milhões de pessoas até o final do ano. Mas, de acordo com dados publicados pelo CCSA, 23% dos 70 milhões de habitantes do país receberam pelo menos uma dose da vacina Covid-19, enquanto 5% estão totalmente vacinados.

Mianmar

Na fronteira com a Tailândia, Mianmar está entrando em colapso devido à dupla crise da pandemia e do golpe militar. Há uma falta desesperadora de oxigênio no país, com famílias de pessoas gravemente doentes fazendo fila para oxigênio ou pesquisando freneticamente na internet os tratamentos da Covid.

Os residentes estão optando por se autotratar em casa, dizem os médicos. Se forem para o hospital, muitas vezes são recusados ??porque as instalações estão ficando sem oxigênio, tratamentos e leitos, e não há equipe suficiente para cuidar dos pacientes, disseram. As Nações Unidas estimam que apenas 40% das unidades de saúde do país ainda funcionam.

Os casos diários relatados em Mianmar aumentaram de cerca de 100 no início de junho para cerca de 5.000 por dia, com o total de infecções confirmadas em 315.118, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Mianmar também registrou 10.373 mortes.

Mas médicos e grupos de voluntários dizem que esses números são subestimados. As vacinas estagnaram sob o governo da junta, e os testes mínimos, a falta de dados oficiais e a desconfiança generalizada do público nos militares significam que ninguém tem uma ideia clara da extensão da crise.

Na semana passada, a embaixadora britânica na ONU, Barbara Woodward, alertou que metade dos 54 milhões de habitantes de Mianmar podem ser infectados com Covid-19 nas próximas duas semanas.

Somando-se ao trauma, os que estão no país dizem que os militares, que tomaram o poder em fevereiro, estão usando a crise de Covid contra o povo e, à medida que as infecções e as mortes aumentam, a junta aumenta seus ataques a médicos e profissionais de saúde, muitos dos quais entrou em greve para protestar contra o golpe e foi forçado a se esconder para evitar ser preso.

A ONU documentou pelo menos 260 ataques contra pessoal e instalações médicas. Pelo menos 67 profissionais de saúde estão detidos, com mais de 600 mandados de prisão pendentes para médicos e enfermeiras. Agora há apelos internacionais para que a ONU pressione por um “cessar-fogo Covid” de emergência exigindo que a junta pare de ter como alvo os trabalhadores de saúde.

O Ministério da Saúde, controlado pelos militares, pretende vacinar 50% de sua população este ano e planeja iniciar as vacinas contra o Covid-19 no início de agosto na maior cidade de Yangon, de acordo com a mídia estatal. Mas mesmo que essas doses sejam adquiridas, os moradores dizem que há uma profunda desconfiança no regime em dar a eles uma vacina que salva vidas, quando continua a matar e deter seus cidadãos.

Kocha Olarn da CNN em Bangkok, Masrur Jamaluddin em Jakarta, e Joshua Berlinger, Nectar Gan, Jessie Yeung, Sophie Jeong e Meenketan Jha em Hong Kong contribuíram com a reportagem.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês).

Fonte: CNN BRASIL

Você pode gostar...

Close