Vídeo: 'Terror', diz mulher que usou corpo para proteger filho de tiro no DF - ValeSeuClick.com - Notícias do mundo inteiro, em tempo real

Vídeo: ‘Terror’, diz mulher que usou corpo para proteger filho de tiro no DF



A mulher que usou o próprio corpo para proteger o filho durante um assalto no domingo (24) no Recanto das Emas, no Distrito Federal, diz que agiu por impulso.

“Foi um momento de terror. É uma coisa que a gente nunca espera que possa acontecer. Na hora do desespero ali, a primeira reação que a gente tem é bem impulsiva”, afirmou a dona de casa Rafaela Dantas, que usou o corpo para proteger o filho de quatro anos. Ela também está grávida de seis meses.

Câmeras de segurança gravaram a ação (assista acima). Um dos dois assaltantes estava armado e abordou um cliente, que reagiu. Nesse momento, teve início uma confusão. O homem com a arma atirou na direção de clientes. Em seguida, o comparsa levou celulares das vítimas.

“Eu pensei na proteção do meu filho. Primeira coisa, meu filho. Os dois, né? O que está na barriga também. Mas, graças a Deus deu tudo certo, ninguém ficou ferido”, afirmou Rafaela.

Mulher protege criança durante assalto em lanchonete no DF — Foto: Reprodução

Mulher protege criança durante assalto em lanchonete no DF — Foto: ReproduçãoA dona de casa Rafaela Dantas — Foto: TV Globo/Reprodução

A dona de casa diz que, como de costume, saiu para lanchar como o marido, o filho e amigos depois de ter saído da igreja.


Rafaela conta que, após a confusão começar, achou que se tratava de um caso de acerto de contas, e não de um assalto.

“Quando a gente foi para o chão, já ouvi o disparo. Daí, eu fiquei deitada esperando ouvir mais disparos. Aguardei um pouquinho mais para poder levantar.”

A dona de casa diz que sua única reação foi proteger o filho.

“O celular ficou em cima da mesa, e a minha reação foi só mesmo de puxar meu filho e proteger. Até porque a gente não sabe a reação de uma criança. A gente, como adulto, já entende um pouquinho mais, já tem noção da situação, que estava pondo em risco a nossa vida. Já a criança, não. Ela pode ter a reação de se espantar, correr”, afirma.

Fonte: G1.COM

Você pode gostar...

Close