Nanismo e racismo serão tratados em ‘O outro lado do paraíso’, próxima novela das 21h

Entre no Grupo da Novela no Facebook Clique aqui – O Outro Lado do Paraíso. https://www.facebook.com/groups/128648017762517/



JALAPÃO, Tocantins – A violência contra a mulher é o tema que domina o núcleo principal de “O outro lado do paraíso”, mas não será o único foco de debate promovido pela próxima novela das 21h, que estreia em outubro. Assuntos como nanismo, racismo, homofobia, assédio moral, abuso sexual, frigidez, impotência e prostituição também serão retratados na obra de Walcyr Carrasco.



No caso do nanismo, a intenção é fugir do humor para tratar de preconceito e rejeição. Na trama, Sophia maltrata a filha caçula, Estela (Juliana Caldas), enviada à Europa pela mãe, que tem a intenção de escondê-la das altas rodas de Palmas, no Tocantins (a novela é passada no Jalapão).

— Existem mães que rejeitam seus filhos com nanismo, sim, de forma muito cruel até. E há aquelas como a da Juliana, que a aceitou e estimulou muito — diz Marieta, contando que ficou “apaixonada” pelo assunto e foi estudá-lo.

Nos ensaios, o diretor Mauro Mendonça Filho estimulou Marieta a externar sua porção mais cruel, cara a cara com Juliana.


— Marieta soltou tudo, colocou para fora o que a personagem sentia. E ficou péssima depois, aos prantos, porque xingou a menina. Para ela foi chocante, porque é uma dama. Marieta é sempre muito gentil e faz vilã como ninguém, não sei como ela consegue — diz o diretor.


O racismo será retratado por meio da trama da personagem de Érika Januza. Ela vive Raquel, uma jovem do quilombo que tem o sonho de ir estudar na capital. Incentivada pela família, chega a Palmas e, para se sustentar, arruma emprego na casa do juiz Gustavo (Luis Melo) e de sua mulher, Nádia (Eliane Giardini). Preconceituoso, o casal da alta sociedade não vai aceitar o relacionamento de Raquel com um de seus filhos, Bruno (Caio Paduan).

Já Elisabeth (Gloria Pires) será vítima de assédio moral. Casada com Henrique (Emílio de Mello), um alto executivo prestes a se tornar embaixador nos Estados Unidos, ela é uma mulher de origem pobre e rejeitada pelo sogro, Natanael (Juca de Oliveira). Por acreditar que Beth atrapalha a ascensão da carreira do filho, ele armará um plano para tirá-la da jogada.

Fonte: O Globo


Você pode gostar...