Funcionária é demitida por justa causa após comer pão de queijo sem pagar



Uma mulher foi demitida, por ser pega comendo,  sem pagar, pães de queijo que estavam à venda, a Justiça do Trabalho determinou a reversão da justa causa.

A mulher de 33 anos, trabalhava no supermercado Super Nosso, no bairro Santo Antônio, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Segundo uma testemunha a mulher teria sido dispensada por “ter degustado uns 2 pães de queijo, daquele menorzinho”.

Em entrevista ao G1, a ex-funcionária, que pediu para não ser identificada, disse que todos os colegas faziam o mesmo, mas ela foi a única a ser demitida por justa causa:

“Fiquei assustada, porque todo mundo faz isso. As outras pessoas foram advertidas e comigo já foi justa causa. Eu gostava de trabalhar lá. Fiquei mais de dois anos na função e provei porque os pães de queijo chegavam congelados e, depois que assava, queria saber se estava bom para o consumo do cliente. Como disse, todo mundo tem a prática de experimentar o produto para saber se está bom antes de colocar no balcão para venda”, disse a ex-funcionária.

Todos os direitos de volta

Para o juiz, a ex-empregada errou, mas, como ela não tem nenhum outro registro de mau comportamento, não deveria ter recebido justa causa.

“Foi apresentado somente um episódio isolado de degustação sem permissão. E documentos anexados aos autos provaram que, durante os dois anos de contrato de trabalho, ela não foi advertida por escrito ou suspensa por qualquer outra infração”, disse Carvalho em sua decisão.

 
Curta a página do Valeseuclick.com e tenha acesso a todas as notícias

Cruzeiro perde para o Avaí e se complica de vez na série B

Ato terrorista deixa dois feridos em Paris

Covid-19: Brasil tem mais de 140 mil mortes e 4,68 milhões de casos acumulados

Celso de Mello antecipa aposentadoria do STF

SAIA DA CRISE: Ideias e cursos para ganhar dinheiro e ter sua própria renda

Carteira de trabalho — Foto: Heloise Hamada/G1

Carteira de trabalho — Foto: Heloise Hamada/G1

empresa recorreu, mas o pedido foi negado pela 11ª turma do TRT-MG.

Com a reversão, a funcionária vai receber os benefícios estabelecidos na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Com informações do G1.COM

Receba as notícias pelo Telegram – https://t.me/noticiasgeral

Você pode gostar...

Close