WTorre sobre reforma de São Januário: “Nunca vi projeto tão bem executado”



Gráfico do projeto de reforma e ampliação do estádio de São Januário: parceria com a WTorre - Reprodução / Vasco TV

A Vasco TV promoveu uma live hoje (27) à noite para divulgar detalhes da parceria firmada entre o clube e a WTorre para a reforma e ampliação de São Januário. Participante do bate-papo, o CEO da empresa, Luis Fernando Davantel, destacou o projeto que foi apresentado e elaborado pelo próprio Cruz-maltino. Com a expertise da construção da arena Allianz Parque, do Palmeiras, o executivo disse nunca ter visto algo “tão bem executado”.

“Há mais ou menos seis ou oito meses, fomos apresentados ao projeto e ficamos muito impressionados. Por conta do projeto que fizemos junto com o Palmeiras, somos muito procurados por clubes do Brasil e da América Latina para trocar ideias, informações… Tive a oportunidade de trabalhar no projeto do Allianz Parque desde o começo e confesso que, de todos esses mais de dez anos no mundo dos estádios, nunca tinha visto um projeto tão bem executado pelo clube, sem um parceiro do setor estando junto”, declarou Davantel.

Presidente do Vasco, Alexandre Campello foi questionado sobre a segurança contratual do projeto, uma vez que ao final deste ano o clube passará por eleições e a administração pode mudar.

“É um projeto que vem sendo trabalhado há muito tempo com muito cuidado e estratégia. É uma conquista não minha, é da minha gestão, mas é uma vitória do Vasco. Espero que a alternância, se houver uma alternância de presidente, não comprometa o curso das obras. A gente entende que há outros contratos que passam de uma gestão para a outra. Existem nesses contratos algumas cláusulas com obrigações de parte a parte. O descumprimento dessas cláusulas poderá acarretar sanções. Não vejo nenhum problema numa possível alternância”, disse.

43 mil pessoas e “muralha” a lá Borussia Dortmund O projeto prevê uma ampliação para cerca de 43 mil pessoas e alguns detalhes curiosos. Atrás dos gols, por exemplo, serão os setores populares, com arquibancadas de cimento, sem assentos. E a ideia da arquitetura é ficar parecida com a do estádio do Borussia Dortmund, conhecida como a “Muralha Amarela”. No caso de São Januário, os paredões serão batizados de “Barreira do Vasco”, numa alusão à comunidade vizinha.

Curta a página do Valeseuclick.com e tenha acesso a todas as notícias

Vasco abre negociação para tentar manter Benítez até o fim do Brasileiro

Marrony: CBF solicitou informações ao Vasco sobre venda do atacante

Vasco planeja usar cota de classificação para pagar salários

Vasco: Herói da partida, Fernando Miguel homenageia filhas e faz gesto do filme “Moana”

“O nome técnico é ‘arquibancada em pé’. A intenção é fazer o caldeirão mais. A gente tem a barreira norte e a barreira sul. Como tem a muralha do Borussia lá na Alemanha, aqui é a Barreira do Vasco dentro do nosso São Januário. Isso também é estratégico para aumentar os 40 mil de capacidade de público”, disse o vice-presidente de Obras e Engenharia, Pedro Seixas, que garantiu que 3/4 do estádio serão de caráter popular.

A princípio, sem naming rights Visão externa do estádio de São Januário após a reforma de ampliação e modernização Imagem: Reprodução / Vasco TV Outro ponto importante detalhado pelos presentes é de que, a princípio, o Vasco não explorará o chamado naming rights do estádio (venda do nome do local). A ideia é que isso seja feito apenas nos setores de São Januário.

“Existe uma certa resistência interna. É bom lembrar que essas mudanças dentro do Vasco precisam ser aprovadas dentro do conselho. Elas foram aprovadas no Conselho de Beneméritos, e isso já foi discutido. Podemos vender o espaço dos setores. Quando há um investimento, é importante entender que todo investimento requer retorno. O naming rights é uma grande possibilidade de arrecadação. Obviamente se não tiver os naming rights, alguma outra receita terá que ser cedida para esse rol da receita que irá remunerar esses investidores”.

Estacionamento e museu A obra prevê ainda um estacionamento para cerca de 1.300 veículos e duas torres que contemplarão um museu, um restaurante além da parte administrativa. “Um dos andares da torre norte é dedicado ao museu. São cerca de 800 metros quadrados. Um outro andar para o Centro de Memória. Essa foi uma das demandas que o vice de relações especializadas, o João Ernesto, me trouxe. Precisamos de espaço digno para o museu e para a sala de troféus”, destacou Pedro Seixas.

Obras no entorno de São Januário Projeto também prevê melhorias para o entorno do estádio de São Januário Imagem: Reprodução / Vasco TV Segundo o vice de Obras e Engenharia, o Vasco mantém conversas com prefeitura, governo, metrô e associação comercial para os obras no entorno de São Januário: “A gente já começou as conversas com alguns agentes estratégicos e fundamentais nessa questão do entorno, seja com associação comercial aqui em São Januário, seja com prefeitura, governo ou metrô. O que a gente precisa fazer no entorno é um choque de ordem. É qualificar o entorno com iluminação, sinalização. A gente começa de dentro para fora. Não podemos esperar o poder público. Começamos.

Fonte: UOL
Receba nossas notícias do Vasco pelo canal no telegram, acesse o link https://t.me/VascodaGamaoficial


Instale o Aplicativo do Vasco e fique por dentro de todas as notícias do Gigante da Colina

Você pode gostar...

Close