Ex-Vasco, goleiro ganhou prêmio à frente de Casillas, fez ‘defesa do ano’ e virou herói em Portugal




Desde 2016 no Marítimo, de Portugal, Charles fez praticamente toda sua categoria de base no Cruzeiro. Após vencer o Sul-Americano sub-17 com a seleção brasileira, ele foi para o Vasco, no qual se profissionalizou.

A estreia na equipe carioca foi com apenas 21 anos no jogo contra a Ponte Preta no Brasileirão de 2015, quando Jordi foi expulso. Pouco depois, viveu seu grande momento na vitória por 1 a 0 no clássico contra o Flamengo. Era a estreia do técnico Celso Roth na equipe da Colina, que brigava contra o rebaixamento.

“Foi um jogo que para o nosso presidente valia um título e tinha um grande peso. Não estávamos bem no campeonato e tinha trocado de treinador. No jogo não tive muito trabalho, mas no final e teve um escanteio e fiz uma grande defesa cara a cara com o Alan Patrick. Pude ajudar o time e fui muito elogiado por ser muito novo”, disse, ao ESPN.com.br.

Após fazer nove partidas entre os profissionais, ele voltou a ser reserva da equipe, que caiu para a Série B daquele ano.



“O time não estava muito bem e o Martín Silva tinha voltado da seleção. Como ele tinha uma experiência maior eu entendi numa boa. Meu contrato com o Vasco estava pra acabar, tinha a possibilidade de renovar mais um ano, mas meu empresário me ligou e falou: ‘Arruma suas malas que vamos pra Portugal, já está tudo certo’ Fiquei muito feliz quando recebi a notícia e não pensei duas vezes em arrumar tudo e ir embora”, explicou.

Em duas temporadas e meia na Ilha da Madeira, ele ajudou a equipe a conseguir uma vaga na Liga Europa e foi eleito melhor goleiro do Campeonato Português em setembro de 2017, desbancando os astros Iker Casillas (Porto) e Rui Patrício (Sporting).

“Eram dois enormes goleiros. Fiquei feliz demais. Para mim foi uma grande conquista aonde eu pude ver que meu trabalho foi reconhecido no meio de grandes profissionais”, afirmou.

Seu auge veio no dia sete de março deste ano, quando fez um milagre na derrota por 1 a 0 para o Vitória de Guimarães. Aos 26 minutos do segundo tempo, Welthon cabeceou e Charles voou para evitar o segundo gol. O goleiro recebeu os cumprimentos até mesmo do atacante que foi barrado. (ver vídeo acima)

O lance ganhou as manchetes em Portugal e foi chamado de “a defesa do ano” em vários sites e jornais.

“Nem eu sabia que tinha sido tão extraordinário, e repercutiu tanto que está pra ser a defesa da temporada. Para mim foi uma grande conquista aonde eu pude ver que meu trabalho foi reconhecido no meio de grandes profissionais, foi um grande reconhecimento”.

O próximo desafio do Marítimo será contra o Porto, no estádio do Dragão, às 17h30 (de Brasília), em duelo válido pela 26ª rodada do Campeonato Português.



“É uma atmosfera aonde todos querem jogar, e vamos trabalhar essa semana e escutar o que o treinador vai nos passar pra que no sábado a gente possa fazer um grande jogo”, finalizou.

Veja a entrevista na íntegra:

Como virou goleiro e quais eram seus ídolos? 
Comecei por influência do meu irmão mais velho, que jogava, e vendo ele jogar eu fui assistir um treino e precisou de um goleiro. Eu treinei e no final do treino o técnico falou com meu irmão que eu podia voltar que eu não ia ter que pagar a mensalidade e que ele gostou de mim. E nisso eu fui pegando gosto e graças a Deus estou nessa caminhada até hoje que amo. Eu gostava de ver o Júlio César que no tempo jogava na Inter de Milão e o Galatto que jogava no Atlético-PR.

Como você foi parar no Cruzeiro? Como foi servir as seleções de base?
Eu comecei em uma escolinha chamada Fox e, como estava me destacando muito, fui para o campo. Fizemos um jogo contra o América-MG e fui tão bem que eles queriam levar. Mas meu treinador falou que na semana seguinte ia me levar para o Cruzeiro. Deu certo e fiquei por lá por dez anos de muitas alergias e aprendizados. O clube me proporcionou um crescimento muito grande e sou grato até hoje. Fui campeão Brasileiro Sub-20 e eleito o melhor goleiro da competição também fui convocado para as seleções de base. Fui campeão do Sul-Americano sub-17 e ficamos em quarto no Mundial.

Por que trocou o Cruzeiro pelo Vasco no fim da base? 
Se dependesse de mim eu não teria saído, mas foram coisas de empresário. Ele não chegaram ao acordo, mas saí pela porta da frente. O Vasco me abriu as portas e foi aonde eu tive a oportunidade de estrear como profissional no Campeonato Brasileiro. Tinha só 21 anos e fiz 9 jogos como titular, sendo que joguei um clássico contra o Flamengo e ganhamos de 1 a 0. Pude ajudar nesse jogo e agradeço demais ao Vasco pela oportunidade, pois eles me receberem super bem.

Quais os episódios mais marcantes no Vasco?
Lembro que quando eu saí de férias, recebi a ligação falando que eu ia ser integrado no profissional. Depois, quando eu estava no banco contra a Ponte Preta e o Jordi foi expulso e fiz minha estreia como profissional. O outro o momento, sem dúvida, foi o grande clássico que vencemos do Flamengo.

Como foi vencer o Flamengo?
Foi um jogo que para o nosso presidente valia um título e tinha um grande peso. Não estávamos bem no campeonato e tinha trocado de treinador. No jogo, não tive muito trabalho, mas no final teve um escanteio e fiz uma grande defesa cara a cara do Alan Patrick. Pude ajudar o time e fui muito elogiado por ser muito novo.

Por que não teve chances no Vasco? Como foi a saída para o Marítimo?
O time não estava muito bem e o Martín Silva tinha voltado da seleção. Como ele tinha uma experiência maior eu entendi numa boa. Meu contrato com o Vasco estava pra acabar, tinha a possibilidade de renovar mais um ano, mas meu empresário me ligou e falou: ‘Arruma suas malas que vamos pra Portugal, já está tudo certo’ Fiquei muito feliz quando recebi a notícia e não pensei duas vezes em arrumar tudo e ir embora.



Você está desde 2016 em Portugal. Quais os momentos mais especiais que viveu aí? 
A nossa classificação para a Liga Europa foi bem especial. Não podíamos perder a última partida e conseguimos empatar 0 a 0 com o Paços Ferreira. Eu fechei o gol e deu certo. Outro momento especial foi receber o prêmio de goleiro do mês de setembro aonde tinha Iker Casillas [Porto] e Rui Patrício [Sporting], dois enormes goleiros. Fiquei feliz demais.Para mim foi uma grande conquista aonde eu pude ver que meu trabalho foi reconhecido no meio de grandes profissionais, foi um grande reconhecimento

Você fez uma defesa incrível que virou uma sensação em Portugal. Como foi?
A defesa milagrosa aconteceu semana passada no jogo contra o Vitória de Guimarães aonde nem eu sabia que tinha sido tão extraordinário, e repercutiu tanto que está pra ser a defesa da temporada.

Quais os planos para o futuro? 
Estou bem e feliz no Maritimo. O clube acreditou no meu trabalho e me dá todo suporte que preciso. Me sinto muito bem aqui e como todo jogar sonha em estar no topo tá sua carreira eu trabalho dia após dia e deixando nas mãos de Deus pra que ele possa fazer o melhor.

Como será o duelo contra o Porto?
É uma atmosfera aonde todos querem jogar, e vamos trabalhar essa semana e escutar o que o treinador vai nos passar pra que no sábado a gente possa fazer um grande jogo

Fonte: ESPN.COM.BR



Instale o Aplicativo do Vasco e fique por dentro de todas as notícias do Gigante da Colina

Você pode gostar...

Close